Goiás

Veja o que se sabe sobre a morte de Hipster da Federal

Lucas Soares Dantas Valença, de 36 anos, conhecido como "hipster da Federal", morreu em Buritinópolis, no centro de Goiás, na noite da última quarta-feira, 2

diario da manha
Foto: Reprodução

O policial federal Lucas Soares Dantas Valença, de 36 anos, conhecido como “hipster da Federal“, morreu em Buritinópolis, no centro de Goiás, na noite da última quarta-feira, 2, após invadir uma casa na zona rural e ser baleado pelo morador, segundo a Polícia Civil.

De acordo, com o boletim de ocorrências, o fato aconteceu por volta das 23h 30, em uma casa na zona rural no povoado Santa Rita, em Buritinópolis, no centro de Goiás. De acordo com a polícia, na noite de quarta-feira, o agente teria gritado do lado de fora dizendo que havia um demônio na residência.

Ainda segundo os policiais, ele teria desligado o disjuntor de energia, que fica fora da casa e arrombado a porta da sala, momento em que foi baleado pelo dono da propriedade. Também estavam na casa a mulher do morador e a filha do casal.

O dono da propriedade contou á polícia que ouviu barulho de gente em volta de sua casa e uma gritaria com diversos xingamentos. Ele disse que diante da escuridão e com medo, teria avisado que estava armado. No entanto, segundo ele, Lucas teria invadido o imóvel, momento em que atirou em direção ao agente com uma espingarda.

Após religar o disjuntor da energia, ele conta que viu a vítima baleada e Chamou a Polícia Militar e 8ma ambulância. Ele alegou a polícia que não sabia quem era o homem e que agiu em legitima defesa.

Lucas foi baleado na barriga. Ainda segundo a ocorrência, uma ambulância de Buritinópolis chegou a ir ao local, mas, quando a equipe chegou, o policial já estava morto. O corpo foi levado ao Instituto Médico Legal de Posse.

O delegado Adriano Jaime, que acompanha o caso, disse que o morador foi preso por posse irregular de arma de fogo, mas pagou fiança e aguarda a investigação em liberdade. Em nota, a Polícia Federal afirmou que está acompanhando as investigações e presta todo o apoio. A PF disse ainda que não divulga informações pessoais e funcionais de servidores. Já a polícia Civil disse que irá dar mais informações sobre o caso quando as investigações forem concluídas.

Segundo Informações do G1

Leia também:

Comentários