Ciência

Dilma está certa: Ciência mostra que já é possível estocar vento

diario da manha
Dilma Rousseff

Depois da afirmação de Dilma Rousseff que, em entrevista coletiva concedida à ONU (Organização das Nações Unidas), disse que é necessário desenvolver uma tecnologia para “estocar vento”, surgiram notícias de que sim, isto já é possível.

Pesquisadores da Universidade de Birmingham desenvolvem sistema com ar líquido para estocar energia proveniente de fontes intermitentes, como a solar e a eólica.

Nos Estados Unidos, um consórcio de empresas, reunidas no Iowa Stored Energy Park, foi muito além e vai armazenar o próprio vento, que será utilizado para gerar energia quando for necessário.

Ou, mais especificamente, nos momentos de pico de demanda, quando a energia é mais cara e pode oferecer um maior faturamento para o grupo.

Ar líquido

O Reino Unido vai utilizar ar líquido para estocar energia proveniente de fontes renováveis (solar e eólica). O método, já testado em planta-piloto, deverá entrar em escala comercial em 2018.

Segundo os responsáveis pelo projeto, a proposta é contribuir para a superação de altos e baixos no abastecimento provocados pela intermitência das fontes renováveis.

Estocada em ar líquido, a energia estaria disponível para o consumo mesmo em dias nublados ou de calmaria.

O projeto foi explicado pelo professor Richard Williams, pró-reitor e diretor da Faculdade de Engenharia e Ciências Físicas da University of Birmingham, no Reino Unido, em palestra na Fapesp, durante o evento “UK-Brazil interaction meeting on cooperation in future energy system innovation”, realizado para promover a cooperação científica entre pesquisadores brasileiros e britânicos na inovação de sistemas de energia.

“Uma planta-piloto de 350 quilowatts (kW) encontra-se em funcionamento, conectada à rede elétrica do Reino Unido, há três anos.

Essa unidade está sendo, agora, transferida para a University of Birmingham como uma plataforma de testes. E o governo disponibilizou um financiamento de 8 milhões para que uma unidade de demonstração, de 5 megawatts (MW), esteja operacional em meados de 2015.

Tudo isso para que tenhamos a opção comercial da estocagem de energia em ar líquido até 2018”, disse Williams à Agência Fapesp.

Armazenando o vento em rochas

A maioria das fazendas de geração de energia eólica passa por períodos nos quais o vento é mais forte do que o necessário, principalmente à noite.

Essa energia extra será utilizada para alimentar enormes compressores de ar, que enviarão o ar comprimido por meio de um túnel para uma camada de arenito localizada a cerca de 1.000 metros de profundidade.

O arenito é uma rocha extremamente porosa e, a essa profundidade, fica encharcado de água.

O ar sob pressão ficará armazenado nesses poros, expulsando a água, o arenito fica localizado entre camadas de argila, que funcionam como um lacre que não deixa o ar escapar.

Nos momentos de pico de demanda, quando mais energia é necessária, o ar comprimido nessas rochas profundas será então redirecionado para a superfície, sendo utilizado para gerar eletricidade.

A usina não é inteiramente movida pela energia do vento, ela é na verdade uma usina híbrida, que utiliza energia eólica e uma turbina movida a gás natural. O ar-comprimido consegue elevar o rendimento da turbina em até 60%.

Energia limpa

O Brasil em menção às dificuldades decorrentes da viabilidade técnica de se substituir as hidrelétricas por fazendas de energia eólica, a notícia de que já é possível “estocar vento”, como quer a presidenta Dilma Roussef (PT) é ótima para um país que já  produção de 6 mil megawats de energia eólica instalada e operando.

A energia produzida a partir de usinas de vento no Brasil equivale a cinco vezes a capacidade máxima da Hidrelétrica de Furnas, em Minas, e é suficiente para abastecer cerca de 35 milhões de pessoas.

O Rio Grande do Norte atingiu sozinho 2 mil MW em abril, avanço da energia produzida através da força dos ventos, que traz uma forte geração de empregos, supera previsões de que o Brasil sofreria um racionamento por falta de energia.

O País estará entre os dez maiores geradores desse tipo de energia no mundo; mas os dados são pouco divulgados por setores da imprensa, que preferem manter o povo na ignorância. (Com informações dos sites Inovação Tecnológica, Fapesp, Brasil247 e Opera Mundi).

Comentários

Mais de Ciência

11 de março de 2019 as 11:34

Caroços siameses

28 de fevereiro de 2019 as 11:54

Homo intergalacticus

20 de janeiro de 2019 as 22:09

Acompanhe o eclipse lunar, o último de 2019

4 de junho de 2018 as 18:09

Junho terá sete eventos astronômicos