Goiânia

Policial é suspeito de homofobia

Um vídeo mostra quando o PM chama um estudante de “viadão”, dá um tapa no rosto dele, saca uma arma de fogo e aponta para o jovem

diario da manha

O estudante de medicina Lucas Leite, de 23 anos, denuncia que foi agredido e ameaçado por um policial militar pelo fato de ser gay. O caso aconteceu em uma mercearia de Goiânia, na última última segunda-feira, 09. Um vídeo mostra quando o PM chama Lucas de “viadão”, dá um tapa no rosto dele, saca uma arma de fogo e aponta para o jovem.

“Eu achei que ia morrer. Pedi a Deus que me desse força naquele momento. Ainda não sei como saí vivo daquela situação”, afirmou o jovem.

Em nota, a PM informou que o policial estava de folga durante o ocorrido e foi afastado de suas funções operacionais. De acordo com a PM, foi instaurado um procedimento administrativo para apurar o caso.

“A Polícia Militar de Goiás reitera que não compactua com qualquer desvio de conduta praticado por seus membros e que o caso será apurado com o rigor devido”, disse.

Lucas registrou um boletim de ocorrência na Central de Flagrantes de Goiânia. Ele afirma que decidiu procurar a polícia por medo de que algo pior aconteça com ele. “Um cara que era para fazer a segurança das pessoas faz uma coisa dessa só pelo fato de alguém ser gay. Foi claramente um caso de homofobia. Ele me agrediu porque eu nasci assim. Não tem outro motivo”, afirma.

A Polícia Civil informou que o Grupo Especializado no Atendimento à Vítima de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Geacri) tomará as medidas legais cabíveis para a apuração dos fatos.

Leia também:

Comentários